É fato que em uma relação saudável tem que haver diálogo, mas vez ou outra, sempre rola aquela velha discussão de relacionamento, a famosa “DR”! No calor da emoção, podem surgir xingamentos, histórias do passado… mas isso é mesmo “normal”?. Descubra alguns erros muito comuns, e claro, fique bem longe deles

Não se inicia uma discussão atacando o parceiro, dizendo, por exemplo, que ele é mentiroso, dissimulado, etc., pois ele já toma uma postura defensiva e negativa a tudo que vier depois. “Quando você o desqualifica, ele não fica receptivo para te ouvir, pois você o está agredindo, e dessa maneira fica muito difícil buscar uma solução dentro de uma discussão saudável e com o mínimo de respeito”, diz Tatiana Leite, psicóloga, terapeuta individual, de casal e de família com especialidade em sexualidade humana.

“Ah, mas você já fez isso!”. Ficar puxando o passado durante a discussão só afasta o casal de um possível solução. 

Focar no passado

Quando você começa falando “você já fez isso”, “sempre faz assim”, etc., acaba tirando o foco de uma possível solução. “O que aconteceu, provavelmente gerou mágoa, raiva, ressentimento, e não é possível mudar os fatos. Desse modo, se o casal se propõe a resolver a questão do momento, tem que parar de mexer no que já foi e pensar no futuro, levando em consideração porque estão juntos e o que ambos gostariam para melhorar a relação dali para frente”, lembra Tatiana.

Não pensar no outro

Segundo a terapeuta, quando se está magoada, a tendência é pensar no “eu”. “’Como eu estou me sentindo’, e nesse momento esquece-se do casal, da parceria, coloca-se o ‘eu’ na frente do ‘nós’. Então não há ali um cuidado com o outro, com o que ele também está sentindo, então isso dificulta muito qualquer entendimento, e é um dos maiores erros nas brigas. Enquanto eu não estiver disposta a entender o que o parceiro quer dizer, mais longe está a solução, um acordo”.

Ir para a discussão com sua decisão tomada dificulta qualquer acordo para uma conciliação.

Ir para a DR com decisão tomada

Você já pensou muito, abriu o contexto para terceiros e pediu conselhos, e então toma sua decisão e resolve partir para a DR cheia de si. Cuidado! “Para começar, uma vez que você expõe a situação para outras pessoas, abre-se margem para julgamentos morais, sendo que, quem sabe o que acontece entre o casal, são apenas vocês mesmos. Em segundo lugar, se já há uma decisão formada, as chances de consenso são mínimas, e você estarão apenas brigando mesmo”, esclarece a psicóloga.