Escolher uma carreira ou ter que entrar no mercado de trabalho muito jovem pode ser problemático, já que a inexperiência, a ansiedade e ou a necessidade de ganhar dinheiro podem atrapalhar nessa decisão. Por isso, se você está descontente, a vida adulta pode ser um excelente período para se encontrar profissionalmente e ser feliz.

“Vocação é uma disposição natural que nos leva a exercer uma carreira ou profissão de acordo com nossas habilidades, preferências e desejos. Existe um trabalho realizado por psicólogos que auxilia jovens e adultos em qualquer idade a encontrarem suas vocações profissionais. É possível ser feliz profissionalmente quando conseguimos compreender esta aptidão natural e alinhamos nossos interesses à nossa atuação”, explica a psicóloga Thais Vega, especialista em orientação e carreira.

 

Saiba quem você é

O autoconhecimento é fundamental para compreender sua vocação. Saber do que gosta e quais são seus objetivos é importante neste processo de descoberta. “Mas como fazer isso na prática? Eu peço aos meus pacientes que respondam as seguintes questões: você sabe quais são seus três maiores talentos? Quais são suas qualidades? O que te faz feliz? Quais temas, assuntos te despertam o interesse em aprender uma coisa nova? Quais são seus objetivos pessoais e profissionais para daqui há cinco anos? Quanto mais perguntas você souber responder sobre si mesma, mais profundo é seu autoconhecimento e mais fácil será a identificação de uma vocação”, afirma a psicóloga.

Liste suas habilidades. Você pode ter uma profissão, e como habilidade extra, ser uma cozinheira de mão cheia. Se ama fazer iso, já é uma chance de vocação encontrada! Foto: Ivanko_Brnjakovic/iStock

Do que você gosta, afinal?

Compreenda quais atividades despertam seu interesse e que aptidões que você possui. Você pode ser secretária, mas ter a mão ótima para doces, por exemplo. “São aquelas atividades que você tem muita facilidade em realizar, que poderia fazer o dia todos sem se sentir cansada, que te levam a esquecer do tempo e são muito prazerosas”, diz Thais.

Segundo José Roberto Marques, master coach senior e presidente do Instituto Brasileiro de Coaching, “outro caminho é tentar encontrar um propósito no trabalho, como por exemplo: ser parte de uma empresa que se preocupa com o meio ambiente, ou que contribui com desenvolvimento de pessoas, que produz algum bem significativo, que preste algum serviço de melhoria para a sociedade, que informe a população, entre muitos outros aspectos. É preciso haver congruência entre o propósito de vida, a atividade da empresa e a que você desenvolve, e isso também é válido para quem deseja empreender”.

Mão na massa!

Uma vez que já tem noção de quem é e as opções do que poderia fazer na vida, é hora de se movimentar. “O importante aqui é agir, correr atrás do que faz sentido para você e assim sentir-se bem com sua atividade e profissão”, lembra a psicóloga.

O coach complementa alertando que isso pode ser concretizado também através do desenvolvimento de novas habilidades: “aprimore competências que contribuirão para seu crescimento, elas te ajudarão a trazer clareza sobre suas capacidades. Quer mais uma força? Aproveite suas experiências. Sua verdadeira vocação pode não estar em mudar de carreira, apenas se aperfeiçoar no que já faz ou de repente mudar de segmento dentro da própria área. Pode ser que uma especialização, um curso de liderança, ou qualquer outra formação, lhe auxilie numa nova visão sobre sua colocação profissional”.

Pesquisar mais sobre essas novas possibilidades de carreira e até se permitir viver, curtindo hobbies e fazendo atividades diferentes e prazerosas te deixam mais preparada para decisões mais assertivas. Foto: VladTeodor/iStock

Saia da caixinha

A rotina é importante para muita gente, mas paralelo a ela, procure diversificar. “Leia sobre assuntos que lhe interessam, pratique hobbies, tenha uma vida social ativa, faça programas diferentes dos habituais. Quando saímos da nossa rotinas exercemos a neuroplasticidade, que nada mais é a criação de novas trilhas neurais que contribuem ativamente para a nossa criatividade e novos pensamentos”, esclarece Marques. Essa fluidez pode ajudar muito a se encontrar!

Seja realista

Pode ser que você tenha idealizado uma profissão incrível, mas que não se aplique a sua realidade. “Por isso, pergunte a si mesmo se é possível na sua vida seguir aquele caminho. “Aqui é importante considerar sua situação financeira, suas capacidades, competências e também o mercado de trabalho. Isso não quer dizer que não há saída para você, mas sim, que terá de criar um novo caminho em busca de sua satisfação e felicidade”, diz Thais. Boa sorte!