Infelizmente, o mercado de trabalho não está pronto para lidar com as profissionais mães com o respeito que elas merecem, ao menos é isso o que indica um novo estudo: realizado pela Exeter University, no Reino Unido. Ele descobriu que elas são julgadas negativamente quando fazem uso da licença-maternidade, e quando não fazem.

Para a pesquisa, que foi publicada no Journal of Experimental Social Psychology, foram examinadas as opiniões de 137 mulheres e 157 homens na faixa dos 33 anos em dois países – 70% deles trabalhando em período integral (oito horas diárias) e 71% sem tem filhos. Eles então foram divididos em três grupos: um recebeu uma história fictícia de uma mulher que saiu de licença-maternidade (um direito assegurado por lei); no segundo de uma que não usou do benefício; e outro em que a situação não foi mencionada.

Mães que continuam a trabalhar são julgadas irresponsáveis. 

Os participantes então tiveram de avaliar a questão sobre a ótica familiar e profissional. O resultado? Aqueles que receberam a situação da pessoa que tirou a licença a julgaram que ela é pouco profissional e incompetente, enquanto os demais – que analisaram o caso da que resolveu continuar trabalhando – disseram que ela é uma mãe irresponsável.