Conversa de Mãe

Chega de dúvidas! Mitos e verdades sobre procedimentos químicos x gestação

Quando a mulher engravida, faz de tudo para proteger seu bebê e geralmente, além de seguir as recomendações médicas, por medo, não se arrisca a burlar nem as crenças populares, principalmente quando o assunto é sobre cabelos. Algumas são verdades, mas várias são mitos, e para acabar com a dúvida, Especialista que esclarecesse as mais comuns que envolvem alisamentos, permanentes, colorações, progressiva e demais procedimentos químicos.

 

Dá câncer

MITO. Os produtos químicos do passado tinham metais pesados em sua composição como chumbo e cobre, que, segundo Dr.Valcinir Bedin, dermatologista, tricologista e presidente da Sociedade Brasileira do Cabelo, “poderiam ser absorvidos pela corrente sanguínea e causar alguma alteração nas células. Só que hoje em dia, pelo menos 20 anos depois, eles estão proibidos, e as tinturas e demais procedimentos químicos têm mais qualidade e atuam até como agentes protetores do cabelo. Além das chances de absorção pelo couro cabeludo serem mínimas, o importante é não ‘batizar’ nenhum produto, ou seja, não aumentar a quantidade de água oxigenada, ou colocar formol, enfim, não alterar a fórmula que vem do fabricante”.

O odor dos produtos é muito forte para a mãe

VERDADE. Principalmente nos primeiros três meses de gestação, “em que a mãe pode ter hiperêmese gravídica, o quadro pode piorar, não pelo procedimento em si, mas pelo odor que o produto desprende”, esclarece o especialista.

Prejudica o feto

MITO. Mais uma crença antiga, com base nos mesmos princípios acima. “O medo era que os metais caíssem na corrente sanguínea, passassem pela placenta e chegassem ao feto, deformando-o. Mas, felizmente, eles não ultrapassam a barreira placentária, que é forte e também atua como filtro“, explica o médico.

Medos como o produto entrar no cérebro da mãe ou cair os cabelos já foram desmistificados. Foto: Staras/iStock

Entra no cérebro da mãe

MITO. O Dr. Bedin lembra de onde vem essa crença: “antigamente, se você tomasse bebidas feitas em toneis de cobre, como a cachaça, por exemplo, dizia-se que o metal poderia se desprender e depositar na base do cérebro. Por essa analogia, para muita gente, o mesmo poderia acontecer com o cobre presente nos produtos químicos, penetrando através do couro cabeludo no cérebro da mãe. Mas isso não ocorria nem naquela época, e muito menos hoje“.

É preciso usar mais produtos do que o normal

VERDADE. Durante a gestação o cabelo cresce um pouco mais rápido, “por conta dos hormônios femininos, os estrógenos, que aumentam de produção. Desse modo, os fios crescem mais rápidos, o que normalmente faz com que esses procedimentos venham a durar menos, e aí precisam ser refeitos com um intervalo um pouco menor, para ter o mesmo resultado de um período comum”, ressalta o médico.

Faz cair os cabelos

MITO. O tricologista alerta que “o que faz cair o cabelo é um procedimento errado. O fato de fazer um alisamento não seguindo corretamente as instruções do fabricante, ou pegando um profissional despreparado, pode fazer cair o cabelo em qualquer época da vida, não apenas na gestação. Seguindo direitinho o rótulo e nas mãos de um cabeleireiro qualificado, dá tudo certo”.

De qualquer maneira, antes de tomar a decisão de fazer qualquer intervenção química no cabelo, converse com seu médico!

Comente isso

Seu e-mail não aparecerá no comentário.

Você vai gostar