Conversa de Mãe

Crianças podem ou não ser vegetarianas? Especialistas respondem

A indicação não é proibida, contanto que alguns cuidados sejam seguidos à risca para não haver deficiências nutricionais

Para os casais que gostariam de seguir o VEGETARIANISMO COMO ESTILO DE ALIMENTAÇÃO, a tendência é que, com a chegada dos filhos, os hábitos adotados sejam passados para o cardápio deles. Com isso, podem surgir algumas dúvidas: há problemas nessa escolha? Como ela deve ser feita para que não prejudique os pequenos?

BOA PARA A INFÂNCIA?

Para a Dra. Luciana da Costa, nutricionista do Hospital e Maternidade Santa Joana, a rotina nutricional isenta de carnes (branca e vermelha) pode ser uma grande aliada da saúde e passível de aplicação logo na infância. “Habitualmente, ela apresenta menor percentual de gorduras saturadas e colesterol. Há inúmeros estudos demonstrando seus benefícios, que vão desde a REDUÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL, menor risco de doenças cardiovasculares, diabetes, OBESIDADE e patologias do intestino (de DIVERTICULITE até incidência de câncer nesse órgão)”, diz. Segundo ela, o crescimento e o desenvolvimento podem ser adequados, contanto que as refeições sejam muito bem planejadas.

Pais vegetarianos normalmente criam seus filhos para seguir o mesmo estilo de alimentação FOTO: thinkstock

PAIS VEGETARIANOS NORMALMENTE CRIAM SEUS FILHOS PARA SEGUIR O MESMO ESTILO DE ALIMENTAÇÃO FOTO: THINKSTOCK

TODO O TEMPO DE OLHO

“O acompanhamento com médico pediatra e nutricionista é fundamental para obter sucesso nisso”, comenta. “Esses profissionais são capacitados para detectar quaisquer deficiências vinculadas”. As mais comuns que podem ocorrer, de acordo com o Dr. Jorge Huberman, pediatra e neonatologista do Instituto Saúde Plena e do Hospital Albert Einstein, são as de proteínas, ferro, zinco, cálcio, vitaminas D e B12.

SEM CARÊNCIAS

PROTEÍNA

Conforme o especialista, você pode substituir a carne principalmente por ovos, leites e seus derivados, e leguminosas. A SOJA, bastante usada com esse propósito, não deve ser oferecida para quem tem menos de um ano de idade. “Pois ela TEM MUITO HORMÔNIO VEGETAL E ALUMÍNIO, os quais não são seguros para essa faixa etária”, afirma.

Como solução para superar uma provável INSUFICIÊNCIA PROTEICA, ele indica o ORA-PRO-NOBIS. “Você pode preparar uma salada e acrescentá-lo”, recomenda. Ela é rica no composto orgânico e seus princípios ativos são eficientes para MELHORAR OS PROCESSOS ANTI-INFLAMATÓRIOS e circulatórios. Contém, ainda, bons índices de vitaminas A e C, ácido fólico e ferro.

A deficiência de alguns nutrientes na dieta vegetariana pode influenciar, inclusive, na cognição e desempenho escolar FOTO: thinkstock

A DEFICIÊNCIA DE ALGUNS NUTRIENTES NA DIETA VEGETARIANA PODE INFLUENCIAR, INCLUSIVE, NA COGNIÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR FOTO: THINKSTOCK

FERRO

Por falar no mineral, o médico ressalta que, embora ele seja encontrado nas leguminosas, apresenta menor absorção – em tais nutrientes, a quantidade é 1.8 vezes mais baixa que nos de origem animal. Portanto, é praticamente necessário dobrar essa ingestão, para que ela não fique em falta. “Você pode adicionar uma fonte de vitamina C (como algum suco cítrico) para ajudar nessa assimilação”, aconselha. “Evite também o queijo e leite na hora em que for comer alternativas com ferro, porque o cálcio deles compete no organismo”.

VITAMINAS

A VITAMINA D, o Dr. Huberman conta, está LIGADA À OSSIFICAÇÃO; sendo assim, orienta a não deixar de lado fontes como a couve manteiga, brócolis, almeirão, agrião, rúcula, quinoa, aveia, mostarda, entre outros exemplos. “A B12 É RESPONSÁVEL POR FORMAR O SISTEMA NERVOSO. O déficit nesse caso pode, inclusive, levar a uma ANEMIA, cansaço extremo, e demais problemas”, enfatiza. Ela é a única presente naqueles ingredientes que são excluídos na prática aqui tratada, ou naqueles fortificados, a nutricionista aponta. “Até os seis meses, os bebês devem ser nutridos por leite materno exclusivo; após esse período, começa a introdução de alimentos – pelas frutas em forma de papas e, depois, a sopa. Dos seis meses aos dois anos, é comum a suplementação de ferro em todas as crianças, o que também precisa acontecer para as que são vegetarianas. A SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINA B12 também há de ser considerada para essas últimas”.

SEGUINDO À RISCA

De qualquer maneira, a Dra. Luciana recomenda que sejam realizadas três grandes refeições diárias (desjejum, almoço e jantar), e dois ou três lanches intermediários, os quais podem incluir de frutas ou oleaginosas. “A dieta vegetariana só será prejudicial se for rica em CARBOIDRATOS SIMPLES, ESPECIALMENTE DOCES E GULOSEIMAS, não possuir equilíbrio e combinações de cereais e leguminosas adequadas, sem variedade na seleção do que vai ao prato”. O Dr. Jorge ainda reforça: “tem que balancear, ver se a criança está ganhando peso ou não, aprendendo na escola ou não (visto que a importância da proteína está relacionada à constituição neurológica, do mesmo modo que a já mencionada vitamina B12)”. Diante desse aspecto, é essencial que se acompanhe a EVOLUÇÃO COGNITIVA e surgimento de transtornos associados.

Comente isso

Seu e-mail não aparecerá no comentário.

Você vai gostar