Carreira & Finanças

Mulheres poderão seguir carreira militar e chegar ao comando de tropas

A partir de 2017, direitos femininos aumentam no exército brasileiro

Um fato inédito na história do Exército Brasileiro está prestes a acontecer. Neste ano, 40 das 440 vagas oferecidas para o ingresso na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEX), localizada em Campinas (SP), SERÁ PARA MULHERES.

Com a aprovação nas provas escrita e física que serão realizadas a partir de setembro deste ano, as mulheres começarão a trajetória militar no início de 2017. Depois do curso de um ano em Campinas, as cadetes seguirão para a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), no Rio de Janeiro. Lá, escolherão as áreas de especialização, que são: Quadro de Material Bélico ou Serviço de Intendência.

A previsão é que elas ocupem o cargo de oficiais do Exército em 2021. O cargo máximo, porém, de COMANDANTE DE TROPA, só será ALCANÇADO EM 2063.

É LEI

Até hoje, as mulheres podiam ingressar voluntariamente no Exército militar de carreira ou temporário, mas não podiam seguir no Quadro de Material Bélico ou Serviço de Intendência.A MUDANÇA VEIO com a Lei nº 12.705, sancionada EM 2012, que permite que militares do sexo feminino atuem como combatentes em áreas até então restrita aos do sexo masculino. Países como Estados Unidos, Israel e Inglaterra já possuem mulheres em suas tropas de combate.

O CONCURSO

O concurso está com inscrições abertas ATÉ O DIA 28 DE JUNHO. A taxa de inscrição é de R$ 90. A primeira fase acontecerá nos dias 10 e 11 de setembro de 2016, em 43 locais distribuídos em todo o país.

As condições básicas para participar são: ser brasileiro nato, ambos os sexos; possuir de 17 a 22 anos (completados até 31 de dezembro do ano da matrícula); e ter concluído ou estar cursando (no ano da inscrição) o último ano do Ensino Médio.

Para conferir o edital e mais informações, acesse www.espcex.ensino.eb.br

Comente isso

Seu e-mail não aparecerá no comentário.

Você vai gostar