Carreira & Finanças Conversa de Mãe

Sete dicas ótimas para controlar o consumismo dos seus filhos

As táticas podem trazer tranquilidade para a sua vida e a deles, que crescerão conscientes

“Mãe, me dá!”, “Mãe, eu quero!”, “Mãe, compra pra mim!”. Essas frases são muito comuns na atualidade, o que não significa que podem passar despercebidas como algo natural do dia a dia. AS CRIANÇAS ESTÃO CADA VEZ MAIS CONSUMISTAS, e muitos pais desesperam-se para atender aos seus pedidos, que quase sempre vem entre choros e gritos. Dizer “não” para um filho nem sempre é fácil. Eles são seus bens mais preciosos e a vontade mimá-los é irresistível, mas é exatamente pelo bem deles no futuro, que você precisa ter esse controle, hoje. Veja como mudanças simples podem mudar esse cenário:

CONTROLE O SEU PRÓPRIO CONSUMISMO

Não precisa ser pai e mãe para saber que CRIANÇAS COPIAM O QUE OS ADULTOS FAZEM. Isso vale para gestos, falas e claro, comportamentos. Se os filhos te veem comprando a toda hora, eles herdarão esse perigoso hábito. “Essa compra em excesso é muito comum vinda de pais ausentes. Compram vários presentes fora de datas comemorativas para COMPENSAR, o que faz com que o filho fique sempre esperando um ‘agrado’. Para crescerem saudáveis e felizes, crianças precisam de pais presentes e não de brinquedos ou outros bens materiais”, explica a PSICÓLOGA INFANTIL MARIANA FREIRE, especialista em crianças e adolescentes e terapeuta de famílias e casais.

Foto: Hongqi-Zhang/iStock

AJUDE SEU FILHOTE A ESCOLHER O QUE E COMO COMPRAR, DE MODO CONSCIENTE E SAUDÁVEL. FOTO: HONGQI-ZHANG/ISTOCK

ENSINE-OS A ESCOLHEREM O QUE QUEREM COMPRAR

O diálogo é sempre o melhor caminho, ainda mais quando se trata de formação de caráter, comportamento, valores e opinião. Converse com suas crianças, use o bom senso para ensiná-las a tomar uma decisão de compra consciente. “Deixe que seus filhos escolham, MAS DENTRO DE CRITÉRIOS PRÉ-ESTABELECIDOS POR VOCÊ, como preço máximo, jogos ou brinquedos coerentes com os valores que os pais valorizem na educação dos filhos”, sugere Freire.

NÃO SUPERVALORIZE MARCAS

Que valores você quer passar para os seus pequenos? Aqueles que crescem entendendo que só presta o que é caro, vão cobrar isso mais na frente, afinal, até terem a própria independência financeira, quem vai custear essa “lição aprendida” é você. Mariana orienta: “não seja refém de modismos. CONSUMA DE FORMA CONSCIENTE, avaliando sempre o custo-benefício dos produtos que compra e ensine seu filho a fazer o mesmo. Compare as opções levando em conta qualidade, custo e utilidade de cada um”.

Foto: shironosov/iStock

PRESENTES EM DATAS ESPECÍFICAS E NO DIA EXATO TRABALHAM A ANSIEDADE E O IMPULSO DOS PEQUENOS. FOTO: SHIRONOSOV/ISTOCK

DEIXE OS PRESENTES PARA DATAS ESPECIAIS

Segundo a psicóloga, no máximo, duas ou três por ano. E nunca antecipe os presentes que deverão ser dados apenas no dia certo, mesmo que tenham sido comprados bem antes. “Esse tempo de espera tem muitas funções: a criança aprende a LIDAR COM SUA ANSIEDADE, tem tempo de avaliar se realmente é a melhor escolha e aprende a CONTROLAR SEUS IMPULSOS. Isso vai ajudá-lo a desenvolver um pensamento crítico em relação às suas escolhas e a valorizar seus presentes. Mas o principal é o domínio da impulsividade, característica tão presente nas crianças dos dias atuais”, afirma a especialista.

A MESADA ESTÁ LIBERADA, MAS COM RESSALVAS

Pelo volume de informação e acesso fácil a tecnologia, as crianças de hoje aprendem tudo muito mais rápido que no seu tempo. Por isso, o quanto antes as instruções partirem de dentro de casa, melhor, principalmente quando o assunto for a relação com o dinheiro. De acordo com Mariana, “a mesada, a partir dos 6 anos, pode ser um grande auxílio para a aprendizagem da criança a lidar com dinheiro. MAS PRECISA SER ADEQUADA A CADA IDADE. SEMPRE VALORES PEQUENOS”.

Foto: evgenyatamanenko/iStock

ENSINE A PRÓPRIA CRIANÇA A ESCOLHER E DOAR O QUE NÃO USA MAIS. FOTO: EVGENYATAMANENKO/ISTOCK

TRABALHE O DESAPEGO ASSOCIADO A BOAS AÇÕES

Nessa altura da vida, você já sabe que o desapego é libertador. Não ficar presa a pequenos bens materiais faz a vida fluir. Provavelmente, você quer esse mesmo bem estar para o seu pequeno não é? Então, “Datas especiais como Dia das Crianças e Natal são excelentes para AÇÕES FRATERNAS. Peça para seu filho separar brinquedos e roupas em bom estado PARA SEREM DOADOS a crianças que não possuem. LEVE-O PARA ENTREGAR E CONHECER OUTRAS REALIDADES”, recomenda a profissional.

BONS COMPORTAMENTOS SÃO INEGOCIÁVEIS

Nunca negocie bom comportamento ou boas notas com promessas de bens de consumo. “No lugar disso, desde cedo leve-os a alcançarem seus objetivos com confiança e a SE SENTIREM PREMIADOS PELA PRÓPRIA CONQUISTA. Mas se quiser compensá-lo de alguma forma, USE ELOGIOS, demonstre interesse real pelas conquistas, vibre com ele e comemore programando alguma coisa para fazerem juntos ou uma reunião de amigos”, diz a psicóloga.

Comente isso

Seu e-mail não aparecerá no comentário.

Você vai gostar